domingo, 5 de julho de 2015

EVOLUÇÃO - O Grande Debate

     EVOLUÇÃO - O Grande Debate            





 Quando Charles Darwin fez sua viagem de cinco anos no Beagle, teve uma visão geral de muitas formas de vida, principalmente no Hemisfério Sul. Ele ficou particularmente interessado nos tentilhões (ave de pequeno porte) das Ilhas Galápagos, porque notou que tinham muitos tipos diferentes de gênero e que o formato de cada bico havia sido adaptado para fazer com que fosse mais fácil pegar os alimentos necessários para sua sobrevivência.



Com base nessa visão geral, Darwin achou que era natural pensar que todas as formas de vida poderiam ter-se adaptado da mesma foram, a partir de uma forma de vida original.

As idéias de Darwin rapidamente se tornaram populares porque ninguém compreendia a fundo as reações químicas envolvidas no processo de vida. Desde então, os cientistas descobriram que os seres vivos são muito mais complexos do que parecem à uma observação superficial. Leia Salmo 139:14.



Nem todos que acreditam na evolução concordam com todos os detalhes de como tudo aconteceu. Mas, todos os evolucionistas ensinam que as espécies mais complicadas ou melhores adaptadas de animais desenvolvem-se naturalmente em nosso mundo, e que todas as mudanças naturais, juntas, explicam a variedade de vida que vemos. Por exemplo, para os evolucionistas, as girafas têm o pescoço comprido porque durante um longo período de tempo os animais que deram origem à própria girafa eram os que conseguiam alcançar árvores mais altas, e, portanto, viviam mais tempo e tinham mais filhotes. (Leia o relato da criação em Gênesis 1:20-31).



Suas crenças a respeito da origem humana influenciam sua maneira de viver. Os evolucionistas ensinam que os seres humanos começaram como animais menos sofisticados, que foram evoluindo para níveis mais e mais altos, e que, se a raça sobreviver bastante tempo, alcançará níveis ainda mais altos. 
 

Os criacionistas ensinam que os seres humanos foram criados perfeitos, mas ao se afastarem de Deus entraram em claro declínio, e isso tem continuado até hoje. (Salmo 8:5-8).

Pense: Se os seres humanos são apenas animais evoluídos, é possível acreditar que Jesus tenha morrido para redimi-los e dar-lhes vida eterna?



A Bíblia ensina claramente que o mundo e a via que existe nele foram criados por Deus. Diz que, depois que Ele terminou a Criação, não se afastou e nem Se esqueceu de tudo. Na verdade, quando as coisas deram errado por causa do pecado de Adão e Eva, o Criador desceu
para viver entre as pessoas que havia criado. (João 10:10).

Jesus queria nos mostrar uma vida melhor e dar-nos a oportunidade de aceitar o dom da vida eterna. Os criacionistas não ensinam que Deus criou tudo como vemos hoje. O pecado cobrou seu preço, causando grandes danos à perfeita criação original de Deus. Animais e plantas têm que se adaptar às condições deste planeta em constante transformação. Deus colocou dentro deles a habilidade de desenvolver novas características que ajudem a sobreviver. 


Leia Colossenses 1:16 e também Hebreus 11:3. Como os cientistas estudam partículas minúsculas do Universo, alguns estão chegando à conclusão de que um ser inteligente deve estar cuidando de tudo isso para que o Universo exista, e que este ser inteligente provavelmente seja o mesmo que criou o Universo.



O Criador e Suas obras estão muito além da compreensão finita, e os homens concluem que, como não podem explicar as obras e os caminhos de Deus a partir de causas naturais, a história da Bíblia não é confiável. Se vemos a nós mesmos como meros acidentes de percurso, podemos achar mais difícil estar motivados para viver de acordo com todo o nosso potencial. As pessoas são mais felizes e produtivas quando sabem que fazem parte do plano de Deus. 
 

Se vemos os outros como meros acidentes, teremos menos respeito por eles também. Sendo assim, decidir se acreditarmos na evolução ou na criação não é apenas uma questão de estudar evidências científicas que parecem apontar tanto numa como noutra direção. É uma questão de vida, e de como vivemos esta vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário