quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Mudando as manchas do leopardo

imageUm dia Deus perguntou: “Pode o leopardo mudar as suas manchas?” (Jr 13.23). A resposta para esta pergunta retórica é obvia, “não”. “Se isso fosse possível, vocês, que só sabem fazer o mal, também poderiam aprender a fazer o bem”, Deus completou.
O homem nasce com uma força dentro de si que o impele para o mal. Infelizmente, para se fazer o bem é preciso que se ensine, mas, para se fazer o mal, parece que o homem já nasce sabendo. Este impulso para o mal leva o homem por caminhos tortuosos e faz com que sua vida vá se bagunçando mais e mais. Quando o homem olha para trás e vê em que se tornou sua vida, é que ele sente o desejo de poder passar a limpo sua existência, o desejo de zerar e começar tudo de novo. Mas, ele se sente como o leopardo que não pode mudar suas manchas a menos que um milagre aconteça. O desejo ele tem, mas não encontra a força para a mudança. É ai que entra Deus na história.
Zaqueu, o chefe dos cobradores de impostos da cidade de Jericó, sentia na pele o que era saber que não deveria roubar, mas mesmo assim roubava seu próprio povo. Ele sabia o quanto era uma vergonha para sua família, que provavelmente o consideravam como morto. Os religiosos faziam sua parte para fazer com que ele se sentisse pior ainda. Eles gostavam de lembrá-lo o quanto o fogo do inferno o estava esperando. Mas, fazer o que? O leopardo não pode mudar suas manchas...
Mas, foi no dia em que ele recebeu em sua casa o Homem a quem chamavam de Mestre, que ele começou a ter esperança. Este homem não veio em sua casa para colocar o dedo em sua cara e mostrar o quanto ele estava perdido. Ele não veio ali para lhe dar lições de moral. Ele simplesmente veio à sua casa.
No meio daquele jantar, na presença daquele Homem que irradiava a luz do amor de Deus, daquele homem que não lhe julgou nem lhe condenou, daquele homem que não tinha nojo dele, que Zaqueu decidiu, isso mesmo, decidiu, tomar um novo rumo na vida. Uma nova força surgia dentro dele, uma força que ele sabia que não era dele. Era uma força que emanava do Homem a quem ele hospedou. Ele decidiu, e declarou sua decisão. Metade da riqueza que ele havia conseguido à custa de uma vida vazia e discriminada seria doada aos pobres. Quanto ao mais de suas riquezas, ele procuraria aqueles a quem havia lesado e lhe devolveria o que havia roubado, com juros.
Jesus não mandou que ele fizesse nada daquilo. Mas, Zaqueu estava sendo mudado de dentro para fora. Toda decisão é seguida por ação, a fim de não ser somente palavras. E são nessas decisões que Deus age, dando ao homem a força de que ele precisa para executá-la.
Ao ouvir isso, e sabendo que não eram meras palavras, Jesus disse: “A salvação chegou a esta casa”. É, o leopardo estava mudando suas manchas. Um milagre estava acontecendo. Uma festa estava acontecendo no céu (Lucas 19.1-9).

2 comentários:

  1. "A Melhor mensagem de Natal é aquela que sai em silêncio
    de nossos corações e aquece com ternura os corações daqueles que nos acompanham em nossa caminhada pela vida"

    * Amigo de Cristo - Amigo de Cristo
    deseja a seus Amigos
    um Feliz Natal e um Ano Novo cheio de Paz,
    Amor, Saúde e Amizade.

    ResponderExcluir
  2. Não creio que o homem nasce com uma força que o impele para o mal. Ele nasce dentro de um sistema que o impele para o mal. É um sistema onde prevalece a luta pela posse. Daí procedem todos os males. A disputa pelos bens. Aí está a raiz dos roubos, das guerras, da exploração, da miséria, agora, o aquecimento global. Também a violência relacionada ao sexo está relacionada à idéia da posse. Jesus Cristo tinha ciência disto. Por isso colocou como condição para segui-lo a ausência de posses: "Qualquer um de vós se não renunciar a tudo o que possui não pode ser meu discípulo" (Lc 14,33). Isto, no entato, não significava viver na pobreza, mas sim construir um novo reino, como podemos observar no exemplo dos primeiros cristãos em Atos cap 2 e 4. Penso que nós cristãos precisamos refletir melhor sobre esta passagem.

    ResponderExcluir